Juíza de Rondônia implementa práticas inclusivas para autistas

A Magistrada busca oferecer uma prestação jurisdicional mais humanizada.
Por Danusa Andrade.
Publicado em 20/10/2023 às 17:29. Atualizado há 8 meses.

LogoA Juíza de Direito da Comarca de Ariquemes, em Rondônia, Dr. Larissa Camargo Pinho

Com o objetivo de humanizar a prestação jurisdicional, a Juíza de Direito da Comarca de Ariquemes, em Rondônia, Dra. Larissa Camargo Pinho, tem implementado práticas inclusivas para portadores do transtorno do espectro autista.

Sensibilizada com a realidade de mães, pais atípicos, advogados, promotores, defensores, acusados e testemunhas com essa condição, a Juíza, que é mãe atípica, vem fazendo uma pesquisa em sua unidade com o a finalidade de oferecer uma prestação jurisdicional mais adequada a este público, de forma humanizada.

Essa apuração sinalizou que 87,8% do público ouvido não tem conhecimento do Manual de Atendimento a pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), lançado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A partir do desconhecimento desse público, a Magistrada implementou algumas medidas para atender aos objetivos do referido Manual. Entre elas estão: a formação de servidores realizada pela própria Juíza que apresentou o manual e a legislação voltada à inclusão; a criação de uma sala sensorial, importante especialmente para os momentos de ansiedade; além de protocolos para audiências presenciais e online.

O Presidente da ANAMAGES, Juiz Carlos Hamilton Bezerra Lima, saudou a Magistrada, que é associada da entidade, pelas medidas pioneiras que têm apresentado resultados positivos em Ariquemes.